Fotos perdidas, histórias que jamais serão esquecidas.

IMG_0765

Passei o último final de semana acampando com a minha família e o meu namorado. Acabei deixando meu celular desligado quase o tempo todo. Usei-o apenas para tirar algumas fotos. Infelizmente, por um problema no meu computador, perdi a maioria delas. Mas tudo bem, as memórias continuam aqui e daqui não irão sumir (a menos que algum dia eu tenha alzheimer ou leve uma pancada bem forte da cabeça).
Outra coisa que não irá sumir tão cedo é a sensação de total tranquilidade que eu tive longe de tudo e todos. E ao voltar, a pressão voltou junto. A pressa, a sensação de estar desperdiçando tempo, a ansiedade por fazer algo que ainda não descobri o que é. A vontade é simplesmente sair correndo e gritar bem alto pra esvaziar qualquer sentimento ruim que eu tenha guardado aqui. Talvez não funcione, mas quem sabe um dia eu tente.
Foram 4 dias praticamente sem me olhar no espelho, totalmente sem maquiagem, sem perfume, roupas bonitas e acho que nunca me senti tão bem comigo mesma. É claro que logo que voltei já arrumei o cabelo e fiz minha maquiagem, mas continuei satisfeita comigo como nunca estive antes.
Acampar na beira da praia, dormir com o som do mar, e apenas observar as estrelas. Todo mundo deveria experimentar tal sensação algum dia. A natureza é a coisa mais simples e revitalizante que temos.
Adultos estressados, adolescentes procurando uma fuga e crianças diversão. Esqueçam os hotéis chiques, parque-aquáticos e e os de diversão. Escondam-se nas florestas, tomem banho de mar, e observem as estrelas. Somos tão pequenos pra se preocupar.

Anúncios

Refletindo na Madrugada (não podia dar mais errado)

Para onde foi a felicidade desse mundo? Onde se escondem as amizades verdadeiras? Os amores eternos? Eu jurava ja ter visto um pouco disso não apenas na minha vida, mas em todos a minha volta, mas notei que no fim, tudo se provou ao contrário.
As tais amizades verdadeiras julgavam os outros, e como saber quando isso não voltará diretamente pra você? O mundo continua redondo e infelizmente, dá voltas. E não são poucas.
Os amores que uma vez pareciam sem fim, puros e verdadeiros acabaram pelo erro mais comum, uma simples desculpa para algo que não daria certo.
E assim evoluem os relacionamentos deste século XXI, onde tudo é “renovável” e facilmente “trocável”. Quebrou? Pra que arrumar? Arranje um novo. E o que fazer com os corações e as cabeças quebradas? Deixe-os no caminho do deu túmulo.
E é tão fácil enxergar o podre nessa sociedade. Talvez porque o puro, o bom, e o equilibrado esteja escasso, em extinção. Assim como a natureza, os bons modos e o bom humor. E o que fazemos agora? Ah, não sei. Arranje outro texto pra te responder, ué.

Meus desejos

 2015 começou e se esses primeiros três dias me mostraram alguma coisa, foi que não adianta se rodear de pessoas se você não as ama. Acredito que todo o processo de um novo ano inicia-se antes mesmo do Natal. É quando ganhamos coisas novas, e pelo menos aqui em casa, nos desfazemos daquelas que não precisamos.
E nas últimas semanas só tenho estado com pessoas que me fazem sorrir, com as quais posso ser eu mesma e não preciso medir palavras em uma conversa ou o volume das minhas risadas. Então, se eu desejo alguma coisa para esse ano é que ele seja cheio de pessoas assim, e as outras não tão agradáveis e nem verdadeiras que se percam com o tempo.
Ano passado tudo o que eu queria era me apaixonar. Não apenas por alguém, mas pela vida, pelas coisas que eu faço todo dia, e até mesmo por mim. Os acontecimentos de todo 2014 fizeram com que eu realizasse totalmente o meu desejo, e ainda mais, percebesse que algumas pessoas e algumas coisas eu nunca gostei tanto assim. Eu relaxei, e aprendi a saber do que eu gosto.
Apenas desejo, como todos os outros anos eu também desejei, me organizar melhor. Estabelecer prioridades, para que no futuro eu não me arrependa de escolhas que fiz e consiga realizar até os meus sonhos mais impossíveis. E assim filtrar o que entra e o que sai da minha vida. Que venham as coisas boas, e que fiquem no passado as ruins. 2015 não me promete nada, mas a ele eu prometo inúmeras mudanças.

Felicidade tediosa

IMG_1224 Gostaria de poder dizer que não escrevi mais por falta de tempo. Gostaria que minha vida estivesse cheia de viagens e eventos, ou até mesmo provas. Mas seria mentira. E talvez seja por isso que eu não tenha escrito nada ultimamente. Nem mesmo uma frase aleatória no twitter.

Tudo tem estado muito calmo. Tranquilo. Minha vida se estabilizou. Não tenho problemas com notas na escola, nem no amor, nem familiares que me envolvam diretamente, nem mesmo inimizades sem motivo. É a vida que muitos desejariam, sem problemas.

Sinto falta das idas e vindas dos momentos bons. Não tenho tido autos e baixos, apenas linhas retas intermediárias. Gostaria de viver uma novela, cheia de mistérios, dramas, situações cheias de adrenalina, cada dia um episódio diferente. A monotonia chegou agora, depois de alguns tempos de obediência. Tudo que vejo aqui é tédio, mas também felicidade.

Tenho sido totalmente feliz, mas isso parece que me deixou sem inspiração. Como escrever sem ter assunto? Ou vontade? As palavras parecem tão simples, mas é necessário muito trabalho para que elas se juntem de uma maneira a expressar exatamente aquilo que se quer dizer. Mas o que faço se sinto que não tenho o que dizer?

De jeito algum gostaria de presenciar uma tragédia, ou algo do gênero. Mas quem não quer um pouco de emoção no dia a dia? Afinal, os momentos ruins devem existir para que os bons sejam valorizados. Meu medo é perder momentos bons por terem se tornado rotina. Tudo que eu peço é um pouco de sal nessa minha vida tão doce.

A Janela da Dú-vida

Sentada na janela da vida
Vejo o que encontrarei se pular
Uma grande queda me espera
Se algum dia eu me jogar

Aprisionada na monotonia
Dinheiro, beleza e simpatia
Enquanto lá fora há dúvidas,
emoções, perigos e feridas

Um coração que nunca amou
Não pode ter machucados
Mas uma vida de ilusões
Deixa o cérebro frustrado

Enquanto alguns vêm pra sorrir
Outros surgem para chorar
Mas no fim o que importa é sentir
Tudo o que há, antes que possa acabar

Um simples pôr do Sol

IMG_0558

Hoje eu saí para ver o sol se pôr. Fiquei alguns minutos sentada no chão com a minha irmã apenas olhando o céu. Se estava lindo? Muito. Mil vezes mais bonito que uma foto. Foi um momento simples do dia, mas me fez completamente mais feliz. E nisso eu pensei na minha mãe que estava em casa, e em todas as pessoas que estavam ocupadas demais pra ver aquilo. 5 minutos já era o bastante, mas nem isso algumas pessoas estão dispostas a aproveitar.

Alguém me disse que ouviu outra pessoa dizer que o mundo é feito de gente que espera. Espera o fim de semana para sair de casa, espera uma companhia para o café, espera uma vida inteira para perceber que não deveria ter esperado. Felizes são aqueles que fazem tudo o que querem. E eu falo agora de coisas simples como um pôr do Sol, um dia bonito na praia, uma noite de lua cheia.

Passamos uma vida toda estabelecendo prioridades. Estudo, trabalho, família, essas são as da maioria. Mas nos esquecemos de nós mesmos. Ninguém vai notar se deixarmos de fazer uma pequena coisinha para sermos felizes. Daqui muitos anos eu vou esquecer do que  deixei de fazer para ir ver o pôr do sol, mas aquele momento, simples, no qual eu abracei minha irmã, olhei pro céu e percebi como era feliz, vai permanecer pra sempre na minha memória.